domingo, 14 de julho de 2013

Quinta do Vale Meão 2009


Ontem provamos o Quinta do Vale Meão, top da vinícola portuguesa homônima ao vinho. A simples presença deste ícone português em terras latinas suscita discussões (bastante pertinentes, ao meu ver) tais como o preço absurdo que os vinhos europeus chegam ao mercado sul-americano, ou contentas ideológicas que questionam se os melhores vinhos do chile e da argentina já rivalizam com os "super vinhos" do velho mundo.
No entanto, esse post não irá tratar de nenhum destes assuntos, mas de nossas impressões e comentários acerca deste fantástico vinho duriense.
Logo na abertura da garrafa achamos que o vinho já estava pronto pra beber. Claro que não cometemos tal heresia e esperamos o tempo necessário para decantação. No caso deste português, achamos que duas horas e meia é tempo suficiente. Na taça apresenta cor vermelho rubi, bastante opaca, com tonalidade violácea, o que denota certa jovialidade. Em outras palavras, se tivéssemos esperado mais alguns anos ele estaria ainda melhor, claro que o desejo venceu a retidão.
As primeiras impressões olfativas revelaram um aroma bastante aveludado. No primeiro momento predominância de baunilha e fruta madura em compota com notas de manteiga. Também pudemos perceber um aroma de cravo, logo de saída, o que é raro na maioria dos vinhos, onde o cravo aparece nos últimos estágios do seu desenvolvimento. Foi impressão geral que esse primeiro estágio lembrava muito "doce de pau de mamão". No segundo estágio adquiriu aroma de especiarias lembrando a noz moscada.
O aroma do Quinta convida à aventurar-se cada vez mais na tentativa de definir as diferentes sensações proporcionadas por ele. Só por essa razão, já justificaria a sua fama de "Barca Nova", apelido dado em razão de ser feito com as mesmas uvas utilizadas pelo icônico Barca Velha.
Na boca mostra-se um vinho de rara elegância, com a capacidade de aquecer o paladar. Persistência imensa e um delicioso retrogosto com baunilha e notas lácteas. Um detalhe que nos chamou a atenção é que a persistência alcoólica acompanha a persistência do sabor. Um vinho esplêndido!!


Vinícola: Quinta do Vale Meão
Região: Douro - Portugal
Uva: 57% Touriga Nacional, 35% Touriga Franca, 5% Tinta Barroca e 5 % Tinta Roriz
Safra: 2009
Graduação Alcoólica: 14%
Envelhecimento: 18 meses em barricas francesas.
Preço: R$ 404,00 - Mistral

2 comentários:

Priscila Rosa Lima Schulz disse...

Hummm... sou uma apaixonada por vinhos!

Seu blog é uma graça. Já o estou seguindo.

Ainda trocaremos muitas receitinhas!

Abraços

http://receitaesperta.blogspot.com.br/

Carlos Mendes Rosa disse...

Ola Priscila,

Fico feliz que tenha gostado do Blog. Certamente poderemos trocar muitas ideias gastronômicas.
Achei o seu "Receita Esperta" uma verdadeira simpatia. Parabéns!
Continue nos visitando!
Abraços!